Academic Journals Database
Disseminating quality controlled scientific knowledge

Abordagem simplificada do nervo ciático por via posterior, no ponto médio do sulco glúteo-femoral, com uso de neuroestimulador

ADD TO MY LIST
 
Author(s): Fonseca Neuber Martins | Ferreira Fernando Xavier | Ruzi Roberto Araújo | Pereira Gulherme Carnaval Souza

Journal: Revista Brasileira de Anestesiologia
ISSN 0034-7094

Volume: 52;
Issue: 6;
Start page: 764;
Date: 2002;
Original page

Keywords: ANATOMIA/nervo ciático | ANESTÉSICOS/Local | ANESTÉSICOS/lidocaína | TÉCNICAS ANESTÉSICAS/Regional | TÉCNICAS ANESTÉSICAS/nervos periféricos | TÉCNICAS ANESTÉSICAS/ciático

ABSTRACT
JUSTIFICATIVA E OBJETIVOS: O bloqueio do nervo ciático pode ser realizado por várias abordagens com vantagens e desvantagens. O nervo ciático é o maior nervo do corpo humano em diâmetro e comprimento. É a continuação do fascículo superior do plexo sacral (L4, L5, S1, S2 e S3). Sai da pelve através do forâmen isquiático maior, passando por baixo do músculo piriforme, desce entre o trocânter maior do fêmur e a tuberosidade isquiática, e ao longo do dorso da coxa, anterior aos músculos bíceps femoral e semitendinoso, até o terço inferior da coxa, onde se divide em dois grandes ramos denominados nervos tibial e fibular comum. Torna-se superficial na borda inferior do músculo glúteo máximo. Baseados nesta descrição anatômica, desenvolvemos uma abordagem posterior, tendo como vantagens a fácil identificação da anatomia de superfície, superficialidade do nervo nesta localização, provocando menor desconforto ao paciente que outras abordagens e podendo utilizar agulha de 5 cm. MÉTODO: Foram estudados 17 pacientes, estado físico ASA I, II ou III, com idades entre 21 e 79 anos, peso de 55 a 90 kg, submetidos a cirurgias em perna ou pé. Após monitorização, o paciente foi posicionado em decúbito ventral e realizado bloqueio no ponto médio do sulco glúteo-femoral (dobra da pele entre a nádega e região posterior da coxa), com auxílio de neuroestimulador, utilizando lidocaína a 1% sem adrenalina (300 mg). Avaliou-se latência, tempo de execução do bloqueio, anestesia dos nervos tibial, fibular comum e cutâneo posterior da coxa. Quando necessário, foi também realizado o bloqueio do nervo safeno com 5 ml de lidocaína a 1%. RESULTADOS: Obteve-se anestesia adequada em todos os casos com o volume e concentração usados. Em nenhum paciente ocorreu anestesia do nervo cutâneo posterior da coxa. O tempo de execução do bloqueio foi de 8,58 ± 5,71 min. A latência foi de 5,88 ± 1,6 min. A duração sensitiva e motora do bloqueio foi de 4,05 ± 1,1 e 2,9 ± 0,8 horas, respectivamente. CONCLUSÕES: Essa nova abordagem é eficaz e de fácil execução. Não está indicada se o bloqueio do nervo cutâneo posterior da coxa for necessário.
Save time & money - Smart Internet Solutions      Why do you need a reservation system?