Academic Journals Database
Disseminating quality controlled scientific knowledge

Avaliação quanto à presença de microalbuminúria e hiperfiltração glomerular no estágio de tolerância à glicose diminuída

ADD TO MY LIST
 
Author(s): Cruz Ney de Souza | Sartori Maria Salete | Santos Maria Luiza dos | Aragon Flávio Ferrari | Padovani Carlos Roberto | Pimenta Walkyria de Paula

Journal: Arquivos Brasileiros de Endocrinologia & Metabologia
ISSN 0004-2730

Volume: 47;
Issue: 2;
Start page: 158;
Date: 2003;
Original page

Keywords: Microalbuminúria | Hiperfiltração glomerular | Tolerância à glicose diminuída | Excreção urinária de albumina

ABSTRACT
Na fase de tolerância à glicose diminuída (TGD) já estão presentes vários distúrbios metabólicos característicos do diabetes mellitus tipo 2 e fatores de risco que predispõem à vasculopatia. Nosso objetivo foi o de verificar se indivíduos de nossa população, com TGD e normotensos, apresentam elevação da excreção urinária de albumina (EUA) e da depuração de creatinina (D Cr). Teste oral de tolerância à glicose padrão com dosagem de insulina foi realizado, classificando os participantes em dois grupos: com TGD e com tolerância à glicose normal (TGN). Urina do período noturno foi utilizada para a determinação da EUA (imunoturbidimetria) e da D Cr. Os dois grupos não diferiram quanto à EUA e à D Cr. A freqüência de microalbuminúria foi de 21,1 e 3,3%, respectivamente, para os grupos com TGD e TGN (NS). Concluímos que, nesta amostra da população brasileira, indivíduos com TGD, normotensos e com resistência à insulina não apresentaram microalbuminúria e hiperfiltração glomerular.

Tango Jona
Tangokurs Rapperswil-Jona

     Save time & money - Smart Internet Solutions