Academic Journals Database
Disseminating quality controlled scientific knowledge

Estabilidade de cultivares de milho em três ecossistemas do Nordeste brasileiro

ADD TO MY LIST
 
Author(s): CARVALHO HÉLIO WILSON LEMOS DE | LEAL MARIA DE LOURDES DA SILVA | SANTOS MANOEL XAVIER DOS | MONTEIRO ANTÔNIO AUGUSTO TEIXEIRA | CARDOSO MILTON JOSÉ | CARVALHO BENEDITO CARLOS LEMOS DE

Journal: Pesquisa Agropecuária Brasileira
ISSN 0100-204X

Volume: 35;
Issue: 9;
Start page: 1773;
Date: 2000;
Original page

Keywords: Zea mays | interação genótipo x ambiente | variedades | híbridos

ABSTRACT
No decorrer dos anos agrícolas de 1995, 1996 e 1997, doze genótipos de milho (Zea mays, L.) foram avaliados em 75 ambientes do Nordeste brasileiro, distribuídas nos ecossistemas dos Tabuleiros Costeiros, Agreste e Sertão, em blocos ao acaso, com três repetições, visando conhecer a estabilidade de produção desses materiais. As produtividades médias alcançadas foram altas, atestando o potencial do Nordeste brasileiro para a produção do milho. Os Tabuleiros Costeiros se apresentam como uma nova região para exploração competitiva do milho. Os híbridos mostraram melhor adaptação que as cultivares, sobressaindo o BR 3123, com melhor rendimento, apesar de ser mais exigente, nas condições desfavoráveis, nos três ecossistemas. Os híbridos, à exceção do BR 2121, mostraram boa estabilidade de produção nos ambientes considerados (R²>80%). Entre as cultivares de melhor adaptação, apenas a BR 106 mostrou baixa estabilidade nesses ambientes (R²=75%). Para o Nordeste brasileiro, a cultivar BR 5033 se aproximou do genótipo ideal proposto pelo modelo.
Affiliate Program      Why do you need a reservation system?