Academic Journals Database
Disseminating quality controlled scientific knowledge

IGREJA E POLÍTICA DURANTE A PRIMEIRA REPÚBLICA: O CASO DO CÔNEGO JOSÉ VALOIS DE CASTRO

ADD TO MY LIST
 
Author(s): Tiago Donizette da Cunha

Journal: Revista Brasileira de História das Religiões
ISSN 1983-2850

Volume: III;
Issue: 7;
Start page: 301;
Date: 2010;
VIEW PDF   PDF DOWNLOAD PDF   Download PDF Original page

Keywords: Igreja Católica | República | oligarquias | romanização | estadualização

ABSTRACT
As primeiras décadas republicanas são identificadas pela produção historiográfica como o período de consolidação do regime político federalista e de reordenação institucional da Igreja Católica no Brasil com o fim do Padroado e com o fortalecimento do processo de romanização de suas unidades religiosas. O objetivo da pesquisa foi investigar as relações e tensões entre Igreja Católica e República por meio das ações do cônego José Valois de Castro, atuante como político nas Câmaras Legislativas de São Paulo e da União. Os dados foram analisados a partir das categorias de análise política, romanização e estadualização, temas de maior incidência encontrados nas fontes, compostas pelos anais da Câmara Federal dos Deputados, e de documentos eclesiásticos. Verificou-se que as intervenções de Valois de Castro resultaram na formação de alianças entre Igreja e Estado no conjunto da Federação para preservar minimamente as prerrogativas que a Igreja dispunha antes da supressão do regime de Padroado, no intuito de contribuir para a romanização da Igreja sem grandes perdas materiais e de influência ideológica. Concluiu-se que desta relação mediada pelo cônego, se desenvolveu uma complexa interdependência de compromissos entre a hierarquia católica e representantes do Estado para além das fronteiras propriamente partidárias, com o objetivo de sustentar o domínio oligárquico e de possibilitar à Igreja sua presença entre as classes dominantes.
Save time & money - Smart Internet Solutions      Why do you need a reservation system?