Academic Journals Database
Disseminating quality controlled scientific knowledge

Perspectivas católicas progressistas em saúde e direitos reprodutivos: o desafio político da ortodoxia

ADD TO MY LIST
 
Author(s): Kissling Frances

Journal: Cadernos de Saúde Pública
ISSN 0102-311X

Volume: 14;
Issue: suppl.1;
Start page: 135;
Date: 1998;
Original page

Keywords: Catolicismo | Aborto | Contracepção | Saúde Reprodutiva | Direitos Reprodutivos

ABSTRACT
Os católicos não seguem a doutrina Católica Romana oficial em assuntos de sexualidade e reprodução, que inclui considerar que a contracepção, mesmo para as pessoas casadas, sempre é má, e o aborto provocado, até para salvar a vida da mulher, é sempre imoral. Bem menos conhecido é o envolvimento da Igreja nas decisões políticas sobre estes mesmos assuntos. Por exemplo, a Igreja tem causado, direta ou indiretamente, o fechamento de serviços de fertilização in vitro (FIV) desde a Polônia até o Uruguai. Como a Igreja nunca declarou que quaisquer das opiniões dominantes, ao longo do tempo, acerca de quando o feto se torna uma pessoa constitui uma doutrina ou dogma, não há nenhuma justificativa teológica para a condenação absoluta ao aborto. Também não há uma teoria do "aborto justo" semelhante à da "guerra justa", que permite matar em certas circunstâncias. A grande distância entre as posições da Igreja e os pontos de vista dos fiéis tem levado os católicos a desenvolvem sua própria ética sexual e reprodutiva, funcional e digna. A Igreja poderia dar uma contribuição positiva para a solução dos problemas discutidos se escolhesse estar ao lado das pessoas em sua busca em vez de por obstáculos.
Why do you need a reservation system?      Save time & money - Smart Internet Solutions